domingo, 25 de novembro de 2012

O falso uso da língua portuguesa


Por: MARCOS TOMÉ

Deparo-me com diversos textos produzidos e circulados no Vale (portais de notícias, blogs, postagens no facebook) e que, ao mesmo tempo que são assustadores, são vergonhosos. Chego a concluir o quanto as aulas de língua portuguesa, aquelas bem clássicas, fazem tanta falta. E quando digo 'clássicas', refiro-me àquelas que prezavam (e ainda prezam) pelas regras gramaticais: acentuação, pontuação, regência, concordância etc. E, em alguns casos, 
decorar sim! Por que não? Quantas e quantas músicas de 'bandinhas', programações de TV, jingles políticos não acabam fazendo parte de nosso arquivo (muitos deles forçosamente) e acabam nos 'educando'?

Por isso, abalado ainda com as primeiras "notícias", lidas em algumas páginas on line, resolvi "colocar-me à frente do teclado e digitar algumas palavras". Coloco assim, porque antes, quando se "pegava na pena para traçar algumas linhas", a língua portuguesa não era a ''QUENGA" em que hoje a transformaram. Nossa língua hoje está para a internet, tal qual as prostitutas eram nos cabarés, nos bordéis, nos bataclãs de antigamente. Isto, quando elas não eram reconhecidas como profissionais, usadas como um objeto qualquer. Hoje, ao contrário, elas TAMBÉM merecem e lutam por esse respeito. Eis-me aqui, falando em nome desta língua.

As notícias divulgadas, lidas pela ótica da boa escrita, parecem mentiras. Na melhor das hipóteses, passatempo de quem simplesmente deseja estrelismo. Brincar de jornalista. E o que dizer dos 'colunistas'? Como se para isto, bastasse se colocar frente a um teclado de computador e, de maneira puramente irresponsável, em questão de minutos, disparar tiros (palavras) para todos os lados. Fui atingido e, por isso, estou aqui. Tentando me defender. Defender a mim e a minha língua portuguesa. Cuidado! Ela não é assim essa "mulher fácil" que qualquer pessoa chega e pega. Pagando, ou não! Não é tão descartável quanto se pensa e se faz. Há consequências. E sérias.


E as notícias acabam sendo falsas. Mas em que sentido emprego aqui a palavra 'falsas'? Significa dizer que estão divulgando mentiras? Ou que as fontes não merecem confiança? Não basicamente. O problema é que a credibilidade de toda notícia (eu diria até de qualquer texto) reside na produção da mesma. E é exatamente nesta produção que se faz IMPRESCINDÍVEL o melhor uso possível da língua. Preocupam-se com as fotos, com o design da página, com as manchetes e só. E estes artifícios acabam por 'maquiar' o mau uso da língua. Enfeita-se tanto que o texto produzido para a comunicação, com todos os seus desvios gramaticais, chega a se passar por correto. Penso, às vezes, que deveriam não passar da manchete. Até para não dar tanta 'manchete' quanto à falta de domínio com a gramática. DETALHE: na própria rede, onde são postados todos estes textos, há inúmeros auxílios gramaticais. Isto faz com que nada justifique a publicação de um texto gramaticalmente atrofiado. Façam uso destes CORRETIVOS DIGITAIS. E aqui vai minha última dica: não se deixem levar pelo imediatismo da notícia. Ele pode esbarrar nas normas da língua e, consequentemente, quebrar a cara. E, infelizmente, a cara do leitor está também neste meio.

domingo, 18 de novembro de 2012

Maria Etelvina Lima: a mulher que me ensinou a ser forte.


Viver é como gritar no abismo. Há um retorno. É impossível não sofrer com as consequências de tudo o que escolhemos. O eco é uma resposta natural do abismo”. [Padre Fábio]
Minha querida vó Maria Etelvina gritou no abismo, ou seja, nos ensinou que a vida é feita de doação e reciprocidade, tinha como lema: ame e serás amado. Gritou também as atitudes de Cristo e nos ensinou que devemos amar nossos entes queridos com amor, carinho, respeito e muita dedicação. Gritou o amor incondicional aos filhos e netos, noras e genros, amigos e vizinhos, ao seu esposo, dedicou uma vida de cuidados e amor acima de tudo.
Escolheu ter fé e seguir os ensinamentos da mãe de Deus. Suportou a dor das doenças que a fazia sofrer, mas em Deus, transformou dor em ensinamentos deixados a cada conversa, a cada conselho familiar, em cada abraço dizia com voz silenciosa o quanto amava todos que a circundava.
Ficará em nossas mentes a mulher de visão de mundo ampliada, do dialogo sincero, da dedicação à família e da oração diária.
A saudade é grande e parece nos faltar algo em nossas vidas, mas nos confortamos por saber que fomos amados a cada dia de nossas vidas por um ser humano grande. Hoje vovó tu és uma estrela que brilha no céu e nos guia rumo ao bem viver. 

Jânio Elpídio de Medeiros. 

domingo, 11 de novembro de 2012

Declaração de um coração amedrontado.


Por : Angelica Araújo.

Representações de você no meu subconsciente são rotineiras, tentar te ter pelo menos na minha imaginação é a única saída de tampar esse buraco negro do meu coração. Não sei o por que você se tornou tão essencial na minha vida, não sei se foi minha culpa por ter me entregado de mais a essa relação. Não sei se foi o teu jeito mesmo que me cativou. A única coisa que eu sei é que no momento que comecei a te amar, sem perceber te entreguei algo de muito precioso, o meu coração já não era tão meu, talvez por pura inocência subtendi que ele não me pertencia, e sim, pertencia a aquela pessoa, ou melhor, aquele menino que chegou de mansinho e o ganhou. Meu amor é puro, simples, calmo e flexível como a água. E como ela, tão fundamental para minha vida. Mas o que fazer se essa água não existir mais? O que fazer se esse menino que eu entreguei meu coração se for? O que fazer se ele não quiser meu amor mais?
Pois é, eu não sei. O que eu sei é que ele se vai, mas o amor que eu tenho por ele fica... Fica aqui congelado e paralisado no meu coração. Apesar dos apesares eu não vou deixar de amar ele, nenhum motivo mudará meu amor. Ele vai, meu coração vai junto, minha felicidade vai junto, meus sorrisos vão junto, meu futuro feliz vai junto... Tudo enfim se vai menos o amor que eu sinto por ele... Que fica aqui, guardado comigo, na minha mente, no meu coração. Qualquer coisa me lembrará ele, qualquer música, qualquer romantismo, qualquer momento feliz, qualquer... Os feed’s back’s se tornam a salvação do meu sorriso, pois lembrá-lo me faz sorrir, faz dar aquele sorriso verdadeiro sabe? Aquele que você suspira após se lembrar.
Mas porque não esquecê-lo? Porque não deixar isso pra trás?
Porque isso não é escolha minha, ele sempre vai estar presente na minha vida de algum jeito, o meu amor, que é amor de verdade não permite esquecimento, não permite abandono. Deixar uma vida para trás não faz parte do meu feitio, ainda mais uma vida que me fez tão feliz. Não é questão de não querer me desapegar, é que, eu não consigo tirar ele da minha vida, é como se ele já fizesse parte do meu DNA, parte de mim. Como “jogar” uma parte de mim fora? Não tem como. Eu AMO mesmo, não nego nem nunca neguei pra ninguém. Se hoje em dia isso é tido como burrice eu sou a pessoa mais burra do mundo. Porque eu amo, digito com todas as letras: não deixarei de amar ele nunca, nem depois da minha morte.
E quando eu vejo que já não há mais jeito pra isso, acontece que...
... As lágrimas virão desesperadas saíram dos meus olhos, sem parar, até parece que elas pensam... Pensam que se saírem mais rápido vão conseguir alcançar o menino que levou meu coração, o menino que me abandonou. Tento dizer a elas que isso não vai mudar o que aconteceu, ele não vai voltar, não adianta se desesperar mais lágrimas, ele não volta! Só amor fica. Porém elas são mais fortes do que eu. Elas não desistiram dele, elas imploram a sua volta menino que levou meu coração... Volte!
Volte, pois as lágrimas não querem desistir de você, não consigo controlá-las, elas são mais fortes do que eu!
Por favor, menino, volte...
desabafei

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Qual o poder do orçamento doméstico?

Muitos dizem que fazer orçamento doméstico é uma coisa chata, cansativa e por ae se vai as inúmeras reclamações. Minha diz que não gosta, porque esse tipo de orçamento só a lembra o quanto tem que pagar.
Bem, é exatamente isso a principal função do Orçamento doméstico, nos lembrar de TODAS as nossas despesas mensais.
É interessante que no inicio de cada mês se faça uma lista com todas as despesas fixas mais as despesas que variam a cada mês.

Por exemplo:
- Alimentação ( supermercado, lanches, bebidas de fins de semana, etc)
-Moradia ( aluguel - se for o caso, impostos, conta de luz e água, gás,internet, Etc)
-Educação ( Mensalidade da escola do filho, livros, apostilas, Xerox)
- Saúde ( plano de saúde, eventuais consultas médicas, gastos com farmácia)
- Beleza ( cremes, academia)
-Lazer ( saídas de fins de semana)

O orçamento doméstico é simples e você poderá utilizar um calculadora e uma folha de papel para fazê-lo.
Tente gastar menos do que ganha, esse é o primeiro passo para começar equilibrar sua vida financeira.

A Poupança

Os especialista em orçamento financeiro diz que devemos poupar mensalmente 10% do ganhamos.

Exemplo: Se ganhamos a quantia de R$ 622,00 ( salário minimo no Brasil) se deveria poupar a quantia de R$ 62,20.

Como faço o calculo?

Sabemos que 10/100 = 0,1
então
 622 x 0.1 = 62,2

Observe que R$ 62,20 é a mesma coisa que economizar em média por dia R$ 2,00. Ao economizar R$ 62,00 por mês, você terá juntado por ano, sem os juros da poupança, a quantia de R$ 746,40. No início  é pouquinho mas depois sua poupança vai engordar. É como diz o ditado "de grão em grão a galinha enche o papo". Agora imaginemos que por ano, sem os juros da poupança, você consiga economizar R$ 746,40 , se passares 5 anos fazendo o mesmo processo, terás no fim desse periodo a quantia de R$ 3.732,00. Percebemos que já alguma coisa. /

Depois voltaremos com mais dicas sobre orçamento financeiro.

Jânio Elpídio de Medeiros

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Happy Halloween !

Hoje é dia das bruxas, mortos, algo talvez assombroso e sempre vemos esse dia como algo meio maquiavélico.

Sempre acreditei que dentro de nós existe um ser "bomzinho" e outro "malvado". Nos percebemos, no dia-a-dia, usando as duas faces. Não adianta negar que as vezes temos pensamentos mortais, inveja, ciumes, isso é natural, somos HUMANOS. 
Jânio Medeiros - Halloween do Colégio Certo- GEO. 

Citamos a bela parte da música de Zélia Duncan ...

"A alegria do pecado as vezes toma conta de mim
e é tão bom não ser divina.
Me cobrir de humanidade me fascina
e me aproxima do céu

Eu gosto de está na terra cada vez mais
minha boca se abre e espera o direito,
ainda que profano, do mundo ser sempre
mais humano" 

Temos o direito de SER HUMANOS, de errar e morrer, para depois, sobreviver, ressuscitar das nossas dependências, tristezas. Sejamos mais sinceros com nós mesmo e acreditar em todos os lados que temos dentro de nós. 

Tenhamos mais momentos de tristezas, pois elas nos leva a morte e depois a alegria do bem viver. Falo de viver PLENAMENTE. 

Happy Halloween!  

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Um grande amor


Por: Thalyta Gabryelle

Estou aqui novamente para dar os parabéns ao meu amigo mais secreto, ao namorado mais perfeito, a você Davi Barros.

Sete meses que estamos juntos, os 210 dias mais felizes da minha vida. Sinceramente nem acredito que seja ''só'' isso, porque você entrou de uma forma em minha vida para nunca mais sair, e não vai.

Momentos de tristeza, alegria, discussão, e o mais importante muito amor.
Nada acontece em nossas vidas por acaso, e certamente você esta marcando minha vida que " Mesmo que eu siga em frente volto pra te buscar ♪". 

Enfrentando o que houver por nossa frente estaremos sempre juntos. Meus ciumes é uma forma para te mostra o quanto eu quero você sempre só para mim, eu sei, você esta aprendendo a lhe dar com eles, mas na verdade, é importante saber que a pessoa que você ama tem cuidados com você. 

"O amor é paciente e benigno, não arde em ciúmes; o amor não se ufana, não se ensoberbece; O amor não é rude nem egoísta, não se exaspera e não se ressente do mal. O amor não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade. Está sempre pronto para perdoar, crer, esperar e suportar o que vier."

"Amor, na maioria das noites, durmo preocupada com você. Me perguntando como você está por aí."

Antes de tudo você é meu amigo, e o único. Serás sempre o único em tudo da minha vida,es minha alegria, quem sabe talvez o motivo dela, talvez não você é.
Minha vida não teria graça, as vezes me pego pensando como seria sem você, e com lagrimas nos meus olhos eu penso que não seria vida, seria apenas um vazio extenso em meu peito que iria me corroer até o fim, não me deixa, não me esqueça. Tenha sempre em você um pedaço de mim, o mais feliz e divertido se possível. Pois você jamais sairá de dentro de mim, nem que arrancasse meu coração, pois você estará guardado em minha alma. 

A quem eu devo todo meu amor, toda a esperança de termos uma velhice juntos. Ao homem da minha vida, desejo que ele esteja feliz assim como eu estou de completarmos mais um més de dedicação e carinho um ao outro. 

Te amo meu menino, Davi Barros.

PS: Não poderia de deixar de postar uma declaração de amor como essa, o texto é totalmente de autoria de Thalyta. 

sábado, 6 de outubro de 2012

Magro demais

Baseado no texto do meu amigo professor Marcos Tomé - Dietas já - resolvi escrever algumas linhas para aumentar  o leque das discussões sobre "dietas sociais", por mais que não escreva tão bem como ele,. Desde já fico feliz de saber que existe mais alguém nesse mundo que também faz "dietas sociais".

Recordo-me das várias "dietas sociais" que já fiz na minha vida. Por alguns anos da minha existência "engolia" todo mundo, suporta todos e me achava na obrigação de gostar de todos, pois assim me tornaria alguém "LEGAL". Bem, se passaram os anos e já percebo que preciso das "dietas sociais" para o MEU BEM viver.

Hoje estou magro demais, por conta das dietas. Estou FELIZ!

Por conta dessas várias dietas, existem várias pessoas, próximas ou não a mim, que acham que elas me fazem mal, as entende de forma errôneas, e me julgam de Elitista, abusado, prepotente, e que não gosta das pessoas.

Enganam-se... Eu adoro as pessoas, só não gosto de algumas delas, como por exemplo: pessoas que só querem o mais fácil e usam disso como meta para viver, outras que são Mal-educadas e não respeita seu semelhante, e ainda outras que só tem um belo corpo e nada mais... as mentirosas eu DETESTO, as omissas eu tenho pena. Realmente, estou EVITANDO essas pessoas, e fazendo, diariamente, minha "dieta social"

Antes de terminar esse pequeno ensaio, quero ressaltar uma pequena afirmação minha. "E impossível alguém gostar de todos". O que existe é uma farsa,isso mesmo, algo ligado ao TEATRO e ao fingimento. Quem prática isso, as vezes, é porque precisa e geralmente está pensando no que vai ganhar com a sua farsa diária, ai, podemos citar nossos amigos falsos, alguns políticos, pseudos namorados, até a própria família.

A cada dia sejamos mais críticos e reflexivos, gostemos apenas de quem nos faz bem.

Jânio Elpídio de Medeiros

Dietas já


Por: Marcos Tomé

Estou precisando, urgentemente, fazer uma dieta rigorosa. Ando acima do 'peso social'. O número de pessoas indesejadas tem subido na balança dos meus relacionamentos. Aqui acolá, eu me deparo conversando com algumas delas e estas não colaboram absolutamente em nada para meu bem estar. Foi exatamente o comentário que surgiu entre alguns colegas professores, durante um intervalo. Não sobre a dieta, mas sobre não suportarmos contatos duradouros com pessoas que não sabem, no mínimo, como falar, dialogar, comentar... Alheias a tudo o que se passa no seu cotidiano. A língua, enquanto músculo, tem outras funções além das que já sabemos. Dentre elas, é usada para falar, comunicar, expressar, interagir... E estas seriam, na minha dieta social, o ponto de eliminação de minhas 'gordurinhas'. E quais são estas gordurinhas'?

Falo daquelas 'pseudo intelectuais' que, por fazerem algumas rasas leituras se acham verdadeiras críticas literárias. Pensam estas que, por lerem apenas a capa, ou uma resenha na net, já podem tecer comentários analíticos sobre algum livro. Vai ver, encantaram-se apenas com o colorido da capa, ou deixaram-se enganar pela mídia. Em alguns casos, deve ter acontecido um 'adultério intelectual': o livro foi trocado pelo filme. Este é mais atraente, rápido e tem imagens... E do alto de seu 'púlpito demagógico' acham-se no direito de bancar a intelectualidade personificada. Rui Barbosa genérico. Como tudo no Brasil.

E o que dizer daquelas 'pseudo religiosas'? Estas que vivem proclamando o nome de Deus, colocando no peito espiritual as marcas de sua fé e que, ao se sentirem ameaçadas materialmente, desconstroem tudo o que foi professado? Pior: colocando o nome da Igreja no ridículo, pois se acham capazes de falar em nome da mesma. O velho dilema entre o que se diz e o que se faz. Detalhe: estão à frente de grupos, comunidades, pastorais, ministérios... Quando a falta de amor próprio, a inveja, a ganância entram pela porta, a espiritualidade pula pela janela. E a politicagem, então? Nem me fale! Só que, muitas fezes, por imbecilidade pura, saem fazendo muito barulho. E quem fica, acaba por saber quem realmente eram. E são muitas, as pessoas produtoras dessas toxinas em nosso meio. Será que elas sabem o que estão produzindo? Ou pensam que o que produzem são frutos de santidade e sabedoria divinas?

E quanto aos pseudo críticos e analistas de plantão? A estes, faltam-lhes o mínimo de verdadeiras leituras. E constantes, e atualizadas, e revisadas... É necessário, para quem deseja se dar ao luxo de trabalhar com as palavras, o mínimo de cuidado gramatical. Coisas simples como pontuação, emprego de letras, acentuação gráfica... Por que me refiro a estas pessoas? Porque são algumas das maiores responsáveis pelo derramamento de toxinas neste espaço virtual. As pessoas públicas não tem que cuidar apenas de sua imagem física. É imprescindível zelar por sua 'imagem linguística'. Saber o que falar, onde falar, como falar... para que as toxinas da ignorância não causem aquele desconforto intestinal. Resultado: acabam por ficar enfezadas, ou seja, cheias de fezes. E saem por aí, sujando tudo... (Marcos Tomé)


Ofereço este texto ao meu companheiro de trabalho 
Jânio Medeiros. Com quem tenho a honra de compartilhar algumas ideias durante breves intervalos escolares. Ideias inspiradoras...

domingo, 30 de setembro de 2012

Feliz Dia de Eleição!


Por: Marcos Tomé

Contagem regressiva para um dos momentos mais decisivos de nossa história... política! Isso mesmo! Sinto-me, vivendo esta contagem, como se estivéssemos naquele momento de espera pelo Ano Novo, acompanhando o calendário, olhando para o relógio e com a visão direcionada aos céus, contemplando os foguetórios. Eu diria até que esta mesma espera se refere à chegada da Gestão Nova. Daí o fato de eu ter grafado a expressão com inicial maiúscula. Simples alusão a um momento especial, mesmo sabendo que no calendário, o momento e a expressão ainda não existem oficialmente. Pelo menos, ainda não! E esta expectativa tem muitos pontos em comum. Todos, numa espera freneticamente contagiante, se colocam a contar os dias e a ‘trabalhar’ para que este acontecimento seja incrivelmente marcante, satisfatório.

E é exatamente nesta palavra ‘satisfatório’, onde está o ponto de conflito de toda a narrativa política que se compõe neste período. Há quem se coloca no sentido oposto, afirmando não gostar do momento de espera e chegada do Ano Novo. E isto, salvo engano, é uma quantidade irrisória, ou seja, não muito significativa. Afinal de contas, nesta vivência também está implícita a liberdade de gostar ou não da celebração. O que é inegável, é que tudo isto é vivenciado num clima onde todos estão imersos em profundo campo da fraternidade. Porém, quanto à espera pelo dia de escolha da Nova Gestão, nesta a liberdade de escolha não se apresenta tão nítida assim (se é que existe), muito menos o clima fraternalmente generalizado.  Até porque a celebração se inicia com a obrigatoriedade do voto, para só então poder comemorar os resultados.

E nisto lá se vão meses de esforços, trabalhos, projetos, metas... E tudo é teorizado e vivenciado no terreno fértil da competitividade, da divisão, dos espíritos acirrados pela ganância, pela desonestidade, pela compra ilícita, pelas recordações vergonhosas e pelo currículo não muito invejoso de alguns ‘elegíveis’. Lembram da palavra ‘fraternidade’? Pois bem, aqui ela já não se faz tão presente. Se naquele momento ela (a fraternidade) recebia o título de personagem principal, aqui esta palavra torna-se totalmente inaceitável. Não que seja desnecessária, mas porque ele não combina com as outras palavras que tomam conta do momento. E a principal delas é a ‘ganância’. Será que aqui temos uma exceção para aquela frase tão conhecida: “os opostos se atraem”?  Neste caso, as oposições se repelem, se digladiam. E o povo, ao contrário daquele povo no coliseu romano, não é mero expectador. O povo torna-se reprodutor (em massa) desta divisão, deste partidarismo. E temos com isso mais outras palavras que sufocam a palavra fraternidade: partido, partidário... Tudo leva à divisão. E este mesmo povo se divide em duas grandes partes: a parte daqueles que já estão dentro (por isso lutam para permanecer bem vistos) e a parte daqueles que querem entrar (de preferência, sem concurso). Interesses individuais, corporificado por partículas de ganância. Luta pela sobrevivência?

E, enquanto deposito minhas ideias aqui, à procura de uma conclusão para este texto, lembro-me de uma frase célebre (de um Homem também célebre): “Nenhum reino dividido sobre si mesmo sobreviverá”. E é pensando exatamente nisto, que a minha impressão se torna cada vez mais nítida... a impressão de que, eleição após eleição, nosso castelo é apenas construído, ou melhor, reconstruído em cima da areia. E olhem que devemos considerar este Homem, assim como alguns outros, um dos maiores políticos da história da humanidade. Eu disse ‘políticos’ e não ‘politiqueiros’. Será que é por isso que aquele ‘gosto amargo’ do insucesso sempre paira não no céu de nossa boca, mas no céu de nossa cidadania? Um Feliz Dia de Eleição para todos!

Marcos Tomé


quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Completamente apaixonada

Letícia Reis - aluna do Colégio Certo-PB
Por: Letícia Reis

Quando vi você pela primeira vez, sei lá o que aconteceu que derrepente meu coração começou a bater mais rápido e não consegui parar de olhar para você. Antes não acreditava em amor a primeira vista mais agora eu acredito, pois sei que estou totalmente apaixonada e não consigo parar de pensar em você. A gente se conheceu de repente naquele jeito que somente a vida nos prepara e gostei da sua forma de falar, de agir, de me tratar. Em todas as coisas que penso fico ti envolvendo, pois tenho esperança que nós ainda seremos muito felizes. Quando falo que você é tudo na minha vida é porque é verdade, pois partes de algumas musicas faz lembrar você como o trecho dessa musica “AMAR NÃO É PECADO E SE EU ESTIVER ERRADA QUE SE DANE UM MUNDO O SÓ QUERO VOCE”. Quando se falamos fico tão boba de tanta beleza que vejo em minha frente, quando seus olhos olham para os meus me sinto nas nuvens de tanta felicidade de está ao seu lado. Nunca mim apaixonei tanto assim por um garoto que pela primeira vez que vir meu coração começou a bater rapidamente. Saiba que você nunca sairá do meu pensamento, pois é você que quero para o resto da minha vida.

Te amo!

domingo, 16 de setembro de 2012

O sentimento da minha vida


Por: Fabrício Oliveira
Fabrício Oliveira, aluno do Colégio Certo-PB
Nunca me senti assim, é ruim de explica, sei lá... mesmo nunca tendo te visto,criei uma certa afeição por você. Você me completa,nunca me sentir assim. Quando vou falar com você minha mão fica gelada, começa a suar, o coração acelera como se eu tivesse acabado de correr uma maratona e o medo de dizer que te amo é enorme, a angústia toma conta e as palavras não saem. Queria que você estivesse perto de mim, a distância e o meu medo de me expressar é grande, mas o amor que sinto é muito maior. Há dias que acordo disposto a dizer pra você tudo o que sinto, mas na hora a mesma coisa sempre acontece, todo dia venho lutando pra te dizer o que sinto e te pedir uma chance,mas sinto que o tempo ta acabando e você pode encontrar outra pessoa e se isso acontecer, vou me sentir muito culpado por não ter pedido uma chance a você. 
ESTOU APAIXONADO...

sábado, 8 de setembro de 2012

O amor é reciproco?

Por: Vanessa Chagas

E quantas vezes mais amar quem não me ama?, quantas vezes mais guardar todo esse sentimento, todo esse amor pra mim? ahh, até amor demais sufoca… ainda mais quando esse amor não pode ser demonstrado, quando esse amor não é recíproco, quando esse amor não é reconhecido.Eu que sou tímida ou ele que é tapado?, bom eu não sei… mas espero descobrir o quanto antes, antes que seja tarde. 
Vanessa Chagas é aluna do Colégio Certo - Rio Tinto-PB
É difícil suportar certas coisas, provocações, falta de atenção, e tantas coisas mais. Mas, fazer oque? o amor é bobo e quem ama é ainda mais, o amor é cego e burro e quem ama então…nem se fala! Chega a ser engraçado, ridículo, alguém ficar feliz quando vê o outro, ficar sempre na cola, mesmo não recebendo atenção, mesmo sendo ignorado, contudo, continua agindo como um cachorrinho, implorando atenção.Haja paciência, idiotice tem limite! Pior que já tentei várias vezes esquecer ele, mas, é difícil, é como se um ima, uma super cola me prendesse a ele. Por que com ele não é assim? Por que só a boba aqui ta apaixonada? E por que logo por ele? Por que a vida é tão difícil pra alguns? Porque, Por que… São tantas perguntas, tantas respostas ainda não encontradas, tanto sofrimento por nada. Como arrancar do peito algo tão forte, tão intenso… tão doloroso?

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Meu Testemunho

Imagem de Nossa Senhora de Fátima-
 Paróquia de Santa Luzia -PB
Caros leitores estou aqui mais uma vez... hoje tenho algo especial para relatar.

Por muitos anos eu fui devoto FIEL de Nossa de Fátima, coordenava, juntamente com um amigo,um conselho religioso da comunidade de Nossa Senhora de Fátima, em Santa Luzia-PB.
Depois de um tempo, deixei toda a minha vida religiosa para estudar, então, se mudei de cidade e me dedique exclusivamente a Universidade, mesmo assim, frequentava a igreja apenas nos fins de semana, onde assitia a missa dominical,mas foi passando os anos e nem mesmo a missa eu estava indo.
Essa semana eu fui dormir triste com alguns problemas e pedi a minha MÃE, Nossa Senhora de Fátima, que ela me desse um NORTE, que me aconselhasse.
Em poucos minutos me acalmei e fui dormir. Quando eu acordei pela manhã, lá estava o NORTE, a resposta as minhas interrogações. Eu senti uma calma materna, como se alguém falasse ao meu ouvido, fui ao banheiro e chorei. Chorei em agradecimento, e nesse momento me veio a mente, tudo o que eu fiz na comunidade de Fátima. Lembrei de quando me consagrava a ela... "Consagro a Vós meus olhos, meus ouvidos, minha boa, tudo o que sou, desejo que a vós pertença". Pois bem, amigos leitores, é com essa filosofia que vou continuar a viver. Sempre nos braços de MARIA, minha mãe.
Eu vez filho Dela, você será protegido para sempre. VIVA Nossa Senhora de Fátima.

Jânio Elpídio de Medeiros.

domingo, 2 de setembro de 2012

O abstrato do Amor

Por: Itamar Cosmick  

O amor, para alguns uma explosão de sentimento, um elemento indispensável para a sua existência, para outros, motivo de vida ou morte. Sempre tive o amor como um mero sentimento abstrato. Não entendia o que levava as pessoas se entregarem de corpo (mais que alma) a esse sentimento.  Lendo obras literárias de José de Alencar, Machado de Assis, Camilo Castelo Branco entre outros, ficava imaginando que todos aqueles belos versos e atitudes dos personagens era meramente ficção, nunca sendo possível serem vividos, principalmente os sentimentos expressos no psicológico dos personagens. 
Para os românticos, o mar é o êxtase do amor. Pois bem, fui apresentado a esse sentimento a beira mar, enquanto contemplava um belíssimo pôr do sol, o amor simplesmente sentou ao meu lado e se apresentou. A partir daquele momento compreendi a explosão de sentimentos que os amados sentem, compreendi também o que escritores citados acima queriam dizer, enxerguei pelos olhos dos personagens. Vimos o sol se pôr enquanto palavras bobas eram sussurradas juntamente com a brisa do mar.
Eu que era sempre pragmático quando o amo estava em questão, passei a agir inconsequentemente, como se a vida se resumisse a esse sentimento. Mas como viver esse sentimento qual nunca tinha experimentado?  O que dizer? Como dizer? Era tudo novo, por um momento relutei, guerreei contra esse sentimento, mas como lutar com algo que te traz palpitações, ansiedade, vontade de está junto e fazer parte do dia a dia era mais que uma simples vontade, era uma necessidade. Neste momento pude compreender as loucuras do amor, por está praticando-as, queria viver, apenas viver aquele momento e de forma intensa esse sentimento abstrato, porém palpável em nossas vidas.
Como tudo tem começo, meio e fim, meu pragmatismo e objetividade falaram mais alto e fiz a escolha que me parecia mais coerente, viver as regras ditadas pela sociedade civil organizada, voltar atrás? Tentei, mas como dizem popularmente “a fila anda” e pode acreditar, não é fácil acompanhá-la. Restou-me sufocar os sentimentos e a experiência de experimentar o amor na sua forma mais explosiva, porém, AINDA BEM que esse sentimento existe, que o amor não é apenas um verbo, DEPOIS, como viver sem ele, sem essa sensação. Da mesma forma que o mar nos apresentou ele nos separou, fisicamente apenas, porque espiritualmente estamos ligados pelo abstrato do amor.
É licenciado em História, Especialista em Gestão Educacional e  Historia do Brasil. 

sábado, 1 de setembro de 2012

Um amor


Por: Cássio Felipe 

Se eu não quero mais, porque ainda gosto?  ... Vejo-me perguntando isso, infelizmente se fosse pra ficarmos juntos estaríamos há um pouco de tempo. Eu tento te esquecer, conhecer novas garotas (o) me sentir bem com elas, mais na verdade eu não consigo, e pode ter certeza EU TENTO. Não gosto de parecer ‘controlador’ ,‘obsessivo’ ou coisa parecida mais quando é com relação a você, é tudo questão de auto proteção. Você é minha! Mas tenho que te deixar livre, não posso impedir que você viva. Pensando bem eu queria que essa sua forma de viver, fosse do meu lado.
Mas o tempo ajuda, ou na maioria das vezes atrapalha, enquanto não está dando certa essa nossa sintonia, continuo te esperando, até aqui ainda não me cansei, acredito que a gente pode dá certo.  É bem isso que fica na nossa cabeça, ‘acredito que podemos da certo’ então não vou desistir de te conquistar. Oh coração teimoso! 
Como eu explico a profundidade dos meus sonhos com você? Do meu amor? Ou o fato de que irei lutar por você todos os dias? Não existem palavras que expliquem isso. Como eu não posso te dizer tudo isso sem receber algo recíproco eu me contento, e deixo acontecer...
Oh Coração teimoso, entenda! Se fosse pra ficarmos Juntos, você já estaria comigo faz tempo. O Problema de tudo é o tempo, tempo em que eu te conheci, tempo que eu me apaixonei por você, e por que o ‘tempo’ ou ‘destino’ não me junta a você logo?? Esse Maldito tempo, talvez fale a Realidade, não era pra ficarmos juntos! Mas depois de tudo o que passei... Não é agora que eu vou te abandonar, não vou de jeito nenhum deixar de Te Amar!
Só que um dia talvez você entenda, o quanto a sua distração me dói, e o quanto esse silêncio me rasga..
  
Nem tanto correspondido

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Meu Coração em simples palavras


Por: Beatriz Rosendo 

“Meu amor por ele é inquieto, conformado, e eu vivo sempre assim, nesse amor calado.” Tão calado que ninguém chega a ouvir. Mais só eu sei, e ouço cada vez mais alto meu coração gritando.
Sabe qual é o meu maior medo? È que você me guarde, no mais fundo da sua gaveta onde ficam aqueles velhos diplomas de formatura que nem tem mais tanto valor assim, meu erro mesmo foi deixar o tempo passar e me contentar apenas com essa palavra “é melhor do que nada” esse sim foi meu maior erro. Existia algo dentro de mim que dizia, você quer mais, só que o medo de te perder era bem maior do que a minha vontade.
Então o que eu fiz? Olhei para trás. E vi que eu poderia concertar tudo aquilo que tinha feito, ou não feito... Até porque, na minha frente não estava nada do jeito como eu imaginava, como eu sempre sonhei. 
Sabe o que é engraçado, quando você perde um amigo é como se todas as pessoas ao seu redor e que conhecem aquele tal amigo sofressem junto com você. Mais quando se trata do amor, não, você sofre sozinho e a dor parece nunca parar pelo contrário ela multiplica.
Beatriz Rozendo, aluna do Ensino Médio do Colégio Certo.
E então me vem sempre à cabeça à pergunta que todos me fazem, “E porque não preencher com outra pessoa?” Na verdade a resposta é simples, quando estamos felizes ao lado de uma pessoa é como se as outras perdessem a cor, e na verdade o preto e branco nunca me atraiu. Posso chegar á conhecer vários garotos, eles podem beijar grotescamente bem, até me fazer perder a respiração, do que adianta se as coisas certas e as palavras bonitas saírem da pessoa errada?
Só peço que volte, volte pra o lugar de onde você não deveria ter saído. E quando isso acontecer, quero que você olhe no mais profundo dos meus olhos e veja que tudo isso que eu estou sentindo é exatamente o que está escrito.

Sempre vai haver uma música, um texto, um perfume, uma conversa, que me fará lembrar você. Quando se ama é realmente assim, quando todas essas músicas, textos gritarem dirigindo-se a nós, vamos realmente perceber que se ama e se quer essa pessoa!

Como você deve olhar pra garota que ama, e dizer a si mesmo que é hora de seguir em frente?”
“O fato é... Cada um de nós é a soma dos momentos que já tivemos. E de todas as pessoas que já conhecemos. E são esses momentos que se tornam nossa história.
Para Sempre (The vow)

terça-feira, 31 de julho de 2012

O menino que gosta do chão

Ele viva de sonhos, mentalizava-os de tal forma que parecia realidade, mas ao acordar percebia que era humano demais para realizar o que seu consciente dizia ser sonho. Sonho? Ele já não sabe mais se é sonho ou mania de querer o que está longe.

Por vezes esses sentimentos que estão dentro dos sonhos desse menino de olhos negros,cabelos cacheados, face verticalmente privilegiado, deixam-o crentes da pequenez que outrora foi imposta por aqueles que quiseram  vê-lo no chão. Ele foi ao chão, pois acredita que de lá o angulo pelo qual ele ver a vida é diferente o suficiente para  torna-lo excêntrico. Outros veem esse menino apenas como um sonhador, mas na verdade ele é forte para encarar o mundo dos que acham que sabem bem viver. Foi no chão que ele aprendeu a sobreviver e sempre levantar-se para mais uma queda, pois cair faz parte do sobreviver diário dos que realmente vivem.

Não ter medo de cair é o que o torna forte, pois sabes o que é sofrer e está no chão. continuará a cair para se levantar bem mais forte. Forte para ver a vida com alegria, as pessoas com sinceridade, viver o amor com autenticidade, estudar com veemência, e louvar aos deuses com fé. 
Gostar do chão é necessário, pois é para o chão que vamos no fim das nossas vidas. 

Jânio Elpídio de Medeiros

terça-feira, 10 de julho de 2012

A pesquisa como atividade inerente à docência


Cristiane Borges Angelo.
Email: cris.matema@hotmail.com
Professora do curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Federal da Paraíba
UFPB/Campus IV 

Fala-se hoje, com insistência, no professor pesquisador. No meu entender o que há de pesquisador no professor não é uma qualidade ou uma forma de ser ou de atuar que se acrescenta à de ensinar. Faz parte da prática docente a indagação, a busca, a pesquisa. O de que se precisa é que, em sua formação permanente, o professor se perceba e se assuma, porque professor, como pesquisador. (FREIRE, 1997, p. 29)

Atualmente, nos discursos educacionais, uma expressão que aparece com frequência é “professor pesquisador”. Em algum momento de sua formação ou até mesmo nos espaços da escola, se já é professor, você já deve ter ouvido ou lido sobre essa expressão. Antes de começarmos a falar sobre o professor pesquisador, vamos refletir um pouco sobre a palavra pesquisa.
Quando falamos em pesquisa, nos referimos à ideia de investigação, ou seja, a pesquisa remete-nos ao mergulho na busca de explicações. D’ambrosio (1996) defende que a pesquisa é o elo entre a teoria e a prática. Para o autor, “todos exercem uma prática - isto é, fazem - e isso com suporte em alguma teorização - isto é - sabem” (D’AMBROSIO, 1996, p. 94).
Ao refletir sobre a pesquisa no espaço da escola, não podemos deixar de nos remeter a figura do professor pesquisador, que é compreendido como um sujeito que está permanentemente na busca de novos conhecimentos e na procura de conhecer e compreender os seus alunos e o contexto no qual está inserido. A busca pelo conhecer, a indagação dos “porquês” e dos “comos”, a inquietação frente à realidade, a postura crítica, a leitura da realidade, fazem com que a figura do professor e a figura do pesquisador sejam indissociáveis.
Para Muniz (2008, p. 211), pesquisar, nesse contexto, significa, dentre outras possibilidades:
• um olhar mais criterioso e investigativo da prática pedagógica na sala de aula, procurando sempre melhor compreender os fenômenos da aprendizagem;
• leituras sobre temas de interesse ao professor e educador matemático;
• criação de espaços de discussão na comunidade escolar para debater questões que incomodam os professores quanto ao rendimento da aprendizagem matemática;
• realização de pequenas e constantes experimentações, uma constante busca de inovações de suas práticas pedagógicas;
• identificação de situações do contexto sociocultural explorando a presença da matemática em situações mais amplas que as das ditas didáticas;
• registro e catalogação regular de pequenas produções e reflexões, assim como dos planejamentos e trabalhos dos alunos;
• elaboração de tabelas e de gráficos que possibilitem melhor compreender a evolução e a involução dos resultados das avaliações de aprendizagem.

Assim, a atitude de pesquisa possibilita ao professor uma compreensão da realidade à qual está inserido, com vistas a sua transformação. Além disso, permite que o professor de matemática busque respostas para as questões inerentes ao ensino dessa disciplina e que tenha clareza sobre a concepção de matemática que possui.
Particularmente no ensino de Matemática predomina, ainda, uma visão absolutista da Matemática em que essa disciplina é vista como um produto acabado, estático sem possibilidades de investigação.
Essa visão de Matemática reflete um ensino como transmissão de conhecimento e o aluno com um papel passivo na aprendizagem, sendo um mero receptor de conteúdos.
As orientações curriculares atuais para o ensino de matemática pretendem romper com essa visão ao conceber o aluno como agente ativo em sua aprendizagem. São baseadas nas ideias socioconstrutivistas de aprendizagem que partem do princípio que a aprendizagem se realiza pela construção de conceitos pelo próprio aluno, mediada pelo professor.
Sabemos que para o professor romper com concepções já arraigadas e construídas ao longo de toda a sua trajetória escolar, quer na condição de aluno como de professor, não é tarefa fácil e significa, de certa forma, uma possibilidade de aprendizado para o professor.
Muniz (2008) ao fazer um paralelo entre o processo de aprender do aluno e o processo de aprender do professor afirma que

para o aluno, aprender significa romper com conceitos antigos, impregnados na ação e no pensamento, requerendo um esforço na mudança de paradigmas na forma de conceber a realidade e agir sobre ela, por outro lado o aprender para o professor, na mesma base teórica, significa também um rompimento com conceitos cristalizados sobre sua prática profissional e seu papel social, e não menos, significa um esforço cognitivo de revisão de conceitos e procedimentos. (MUNIZ, 2008, p. 210)

É nesse âmbito que Freire, em um de seus ensaios, destacou estar convencido de que “uma das mais importantes tarefas que a formação permanente dos educadores se deveria centrar seria convidá-los a pensar criticamente sobre o que fazem” (FREIRE, 1991, p. 123).
Nesse sentido, percebemos que a pesquisa é uma das dimensões mais legítimas para o aprendizado e desenvolvimento profissional do professor.
Nóvoa (1997) concebe o desenvolvimento profissional de professores em três vertentes, quais sejam: o desenvolvimento pessoal, o desenvolvimento profissional e o desenvolvimento organizacional.
Para o autor, o desenvolvimento profissional de professores leva em consideração o professor como pessoa, o coletivo docente e as organizações escolares onde os professores exercem as suas atividades profissionais. Entendendo o desenvolvimento profissional dessa forma atentamos para o fato de que a profissão docente está sob a égide da complexidade que implica no enfrentamento, por parte dos professores, de situações cotidianas imprevisíveis em que se relaciona a pessoa do professor, o contexto a que está submetido e a cultura organizacional da escola em que atua.
Se o contexto no qual se dá o trabalho docente é complexo e indeterminado, o professor deverá dispor de conhecimentos para agir nessas situações, muitas vezes imprevisíveis. Por esse motivo, defendemos que devam ser fomentadas discussões entre os professores acerca da natureza do ensinar Matemática para que se compreendam seus processos de ensino e aprendizagem. E é essa busca por compreensão, fomentada pela pesquisa, que possibilita aos professores analisar em suas concepções o papel e as finalidades do ensino de matemática e o significado do processo de aprendizagem de seus alunos.
Assim, a atitude de pesquisa no âmbito educacional é uma forma de atribuir significados à nossa prática escolar. Para tal, acreditamos que um ambiente em que sejam privilegiadas as pesquisas e reflexões concernentes ao ensino da disciplina de Matemática e suas correlações com as diversas áreas do conhecimento, seria um lugar em que emergiriam vários aspectos que facilitariam a atuação do professor em sala de aula, o que vai de encontro à utilização de somente uma fonte (normalmente o livro didático), no planejamento e execução do trabalho do professor.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Ensaios sobre o período politico atual.

Passei vários anos vendo a politica santaluziense, e hoje estou a ver a politica Mamanguapense, e depois de algumas pequenas reflexões, chego a uma conclusão: Existem várias semelhanças entre a politica litorânea e sertaneja.

Santa Luzia mais uma vez prega a "inocente" historia dos bons representantes. O partido da condição por falta de criatividade ou mesmo MEDO de colocar outro integrante da família MORAIS, repete o nome do VELHO candidato a reeleição. A oposição pelo o mesmo motivo, desenterra mais um VELHO conhecido.

Em Mamanguape, pelo pouco que conheço, une antigos adversários para garantirem uma determinada vitória. Lembrei... Isso já aconteceu em Santa Luzia.

Lendo o paragrafo supracitado, chegamos a uma conclusão: A politica paraibana vive para as vitórias, ou seja, não importa o que é feito para se chegar "lá", importa está "lá". Infelizmente, muitos eleitores têm uma memoria frágil e esquecem com facilidade o que políticos fazem, ou seja, esquecem posturas passadas e presentes. Vou me ater a escrever sobre a politica que vivi e ainda vivo: a Santaluziense.

Relações de poder, autoridade, arrogância "agente ver na politica da condição de Santa Luzia-PB".

Faça uma rápida pesquisa de algumas denuncias sobre atual gestão, e comece sua pesquisa pessoal e reflexão que pautara sua escolha para a eleição 2012. trago apenas duas denuncias, vejam...
O desprezo pelo conselho tutelar. ver : denuncia
O caso das ambulâncias, ver: denuncia .

 QUERO deixar bem claro, o que o atual prefeito foi denunciado, apenas. Se ele é culpado, isso é a justiça quem deve dizer.

Queria que lembrassem também de tudo o que já foi exposto em períodos eleitorais. Acredito que alguns santaluzienses tenham memorias. Lembrar é VIVER.

Como gosto de ser claro, portanto deixo exposto que sou oposição ao atual prefeito, mas acredito em oposição respeitosa. As denuncias acima são de outros sites, estou aqui fazendo um trabalho de MEMORIA.

Jânio Elpídio de Medeiros.

sábado, 16 de junho de 2012

Tédio meu.



Será que um dia ainda vou morrer de Tédio?


As vezes penso que sim. Fico com um vazio dentro de mim, quero algo para fazer, ler, agir de alguma maneira. Me pego pensando porque não me conformo com pouco, não gosto de nada simples e nem curto NADA que seja medíocre. Eu ainda vou morrer de tédio.

Dizem que tédio é " um sentimento humano descrito como um estado de falta de estímulo, ou do presenciamento de uma ação ou estado repetitivo - por exemplo, falta de coisas interessantes para fazer, ouvir, sentir etc. As pessoas afetadas por tédio em caráter temporário consideram este estado muitas vezes como perdido, perda de tempo, mas geralmente, não mais do que isto"

Realmente sinto essas coisas estranhas. O MEU tédio tem um lado bom,pois quando estou querendo deixar o tédio de lado, procuro fazer alguma, como estou fazendo agora, escrevendo palavras embaraçadas. Mas fiz muitas coisas, já tomei muitas decisões, fiz muita MERDA no meu profundo estado de tédio, mas entendam, eu FIZ alguma coisa.

Jânio Elpídio de Medeiros

terça-feira, 1 de maio de 2012

Orgulho caieirense

Caieira minha vida minha flor
Terra de muitas virtudes e muito amor
És terras de grandes belezas linda feita uma flor

Tens muitas coisas diferente feito um coração
Te amo minha terra minha paixão
Terra de águas maravilhosas feito uma rosa
És doce feito mel como um pedacinho do céu.

Tens fauna e flora agradável, tudo é suave
Tens um reduto maravilhoso bem gostoso
Tens um rio de águas bem limpas e areia laranjinha
Tens um rio bem gostoso e bem gracioso

Eu moro aqui e não quero sair
Vim para ficar e amo esse lugar
Aqui tenho muitas familiais e muitas maravilhas
És uma bela terra e uma bela poesia

Eu amo sua paisagem que é muito variável
Terra de minha família e minha alegria
És meu coração e minha paixão

Caieira minha vida minha harmonia
Que me inspira nesta poesia
És terra de muito caju e que alimenta o sanhaçú

Terra de muitos pássaros
que cantam assim...
Caieira minha vida e meu jardim

E agora pra encerrar
Eu não posso deixar de falar
És minha inspiração
Que eu digo nessa paixão.



Severino do Ramo Fernandes da Silva Neto, Estudante do 2º ano médio do Colégio Certo - GEO. Reside na Caieira, terra que muito ama.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

O lápis da minha história

As vezes é preciso apontar o lápis que escreve nossa história, mudar nossas atitudes.Tenho medo de deixar de ser EU. Porque, para mim, o eu é sim importante, se justifica. Muitos me interpretam erroneamente, me julgam por ter uma sinceridade absurda, mas o que eu fiz de errado?

Como eu queria saber ser MENOS eu. Mas penso, porque não devo ser EU. Estou confuso... QUERO SER MAIS EU.

Jânio Elpídio de Medeiros

Adolescentes, pensamentos e conclusões.



 Ré, vida de adolescente realmente não é fácil, apesar de não termos, em certos casos, a preocupação de contas pra pagar ou de horário de trabalho. Muitas vezes temos a ‘preocupação’ com: escola, dia a dia, pais irritantes, irmãos indesejáveis e vários outros...

 Mais, em certas vezes, queremos que nossos pais ou responsáveis nus entendessem e respeitassem nosso canto, ou apenas, parassem só uma vez e tentassem nos escutar, porque, nós também dizemos a verdade e podemos sim ter responsabilidade, se a ‘’ FAMA ‘’ dos adolescentes não é boa, não temos culpa, ate porque alguns deles se salvam nesse meio. Nós adolescentes pensamos: ‘’

Será que nossos pais nunca foram adolescentes? Se foram, porque ignoram tanto nossas ideias, modo de agir e preocupações?. ‘’ Até parece que eles nunca fizeram o que nós fazemos, e nunca pensaram do nosso modo, poderiam relembrar oque eles passaram e pensar bem nas decisões que eles tomam, assim seria bem mais fácil nossa convivência. Mais como tudo é difícil para nós adolescentes, à decisão nossos pais que devem tomar. Ainda penso: ‘’ como seria fácil se eles relembrassem tudo que eles sofreram no passado e pensassem como agir agora no futuro... ‘’.

Além de alguns medos que temos nossa vida não é feita só de divertimento, ou de arranjar motivo para eles se preocuparem, temos também o dever de aprender a viver e mais, temos que fazer isso em pleno desenvolvimento e hormônios a flor da pele, Será que isso é fácil? Eu mesma respondo: NÃO MESMO. As ideias rondam nosso pensamento a todo instante, não sabemos organiza-lo, é muita coisa, muita informação pra um pequeno cérebro em pleno desenvolvimento. Aí vem os adultos reclamar que não estamos bem no colégio, que temos que parar de sair pra nus concentrar mais, e retorno a pensar: ‘’ Se isso, essas ideias todas, essa perturbação contínua é coisa de uma fase em que estamos desenvolvendo, como é que podemos parar?‘’ Esses adultos muitas vezes parecem que não raciocinam, sabem que nossa fase é assim e ainda nus condena..., nós temos mesmo é que aceitar essas barbaridades e levar a vida com alto astral e não deixar pequenas coisas nus abalarem.

Então, adolescentes como eu que se prezem, devem se acalmar na hora dos esporros e saber lidar com as situações, usar o raciocínio e dobrar as ideias erradas deles.

ANGELICA ARAÚJO , Adolescente de 15 anos do colégio Certo que adora escrever e expressa-se. 

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Política Santaluziense: Quase uma monarquia


Iniciamos mais um ano político onde ao final será decidido quem administrará os municípios brasileiros, sejam no poder executivo ou legislativo. E sabido que inúmeros eleitores farão, ou melhor, exercerão o ato muito sublime chamado votar, ato esse que norteará a administração publica por mais alguns anos.

Como santaluziense que sou não deixaria de tecer alguns comentários á respeito do pleito eleitoral que será, com toda certeza, pautado mais uma vez por muitos boatos, opiniões e sem hipocrisia alguma, perseguições políticas partidárias que são de costume em nosso município de homens que se dizem Reis e outros que mal sabem conjugar um verbo e detém poder de mandar e desmandar.

Santa Luzia situada no semi-árido paraibano não é a pior e tão pouco a melhor cidade para se viver, com todas as suas especificidades. O meu olhar embora hoje seja á distancia, mais por vários anos fui extremamente testemunha ocular de acontecimentos políticos que nunca desceu de goela adentro, sem algum esforço que fosse.

Vamos a alguns comentários a respeito do poder legislativo santaluziense...
O poder legislativo mais parece um poder perpetuo. As caras na câmera municipal são praticamente as mesmas, isso é verdade... Alguém ao ler este trecho do texto pode se perguntar, ou até mesmo afirmar que sou louco, pois os nossos vereadores passam por um pleito eleitoral a cada quatro anos. Bem, isso também é verdade, e é o que os nossos olhos vêem.

Queridos eleitores, vocês já se perguntaram por que nossos vereadores uma vez eleito pelo povo querem continuar para SEMPRE no poder? Não seria natural contribuir política local por certo tempo e depois voltar a fazer o que antes faziam como voltarem a serem servidores públicos, comerciantes, taxistas, em fim, voltarem a serem cidadãos normais. Mais isso geralmente não acontece não é mesmo? Ser vereador é uma profissão quase de fé.

Existem vereadores com mais de quatro mandatos consecutivos. E o que fizeram significativamente em dezesseis anos de poder? Mais uma pergunta...
Agora vamos discorrer sobre o executivo. Bem, se na câmera as coisas parecem perpetuas, no executivo já é uma verdadeira monarquia, pois uma família quase dona de Santa Luzia se denomina semi-deusa e quer, deseja, e por vários anos já detém o poder à base de muito trabalho, empenho, e dedicação, pois queridos eleitores para ter poder e perseguir é necessário muito trabalho, empenho e dedicação.

Vamos nos lembrar de fatos ocorridos... Porque mulheres que se vestem bem e usam sapatos bonitos passam mais de dez anos sendo gestoras de escolas municipais, quando estamos discutindo nas instituições de formação de educadores que a gestão escolar deve ser democrática? Sim, caros eleitores, se faz necessário justificar as roupas e os sapatos, porque formação de gestor eu não as conheço nelas. Porque os funcionários municipais tem a obrigação de levantar bandeiras em comícios a fim seu lado político, isso não seria perseguir? Porque a família monárquica liga para a casa os “encabrestados” convidando-os a participarem ativamente dos comícios ou tudo que for para promover a família? Isso seria Saudável? Porque até a igreja é mal vista pela monarquia? Será que as homilias não são agradáveis aos seus ouvidos imperiais? São tantas perguntas...

Existe mais uma pergunta que não quer calar.Quem será os próximos candidatos á prefeitura de Santa Luzia por parte da família monárquica ? gente, é fácil. Apenas é preciso olhar para a nova geração. Bem, por mais que a geração velha tenha suas falhas são mais altivos,tem um perfil mais monárquico. Mais fiquemos de olhos, os mais jovens , porem fisicamente desmerecidos de garbosidade , podem perseguir como ninguém , afinal de contas eles precisam de auto-estima. Agora se a família colocar sua figura FEMININA para disputar as eleições 2012, eu particularmente, tenho medo de andar nas ruas santaluzienses, pois esta tem o péssimo habito de querer impor.
Como eleitores devemos ter uma reflexão crítica a respeito do próximo pleito eleitoral que vamos passar. Devemos colocar na balança as posturas, analisar os candidatos e seus discursos políticos e enxergar os projetos para mais quatro anos de poder. Isso se os mesmo tiverem projetos com objetivos e metas a serem alcançadas.

Se esse texto servi para lançar alguma luz sobre o oficio diário da reflexão e inspirar aos santaluzienses idéias inovadoras para suas vidas, terei cumprido meu papel de educador.

Procuro aqui nesse meu espaço, vislumbrar e mostrar através do escrito singelo de um rapaz que escreve nas madrugadas de insônia a preocupação com a minha terra que nasce e me criei. Desde já, ressalto que não tenho pretensão alguma de cargos ou emprego em Santa Luzia.

Jânio Elpídio de Medeiros

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Coração que tenho

Estou com vontade de escrever, mais minha ânsia de vômito não quer deixar. Caros leitores, vou respirar e tentar arrumar algumas palavras e com vocês refletir mais uma vez sobre à vida. Hoje vou me ater aos sentimentos do coração.

Vamos aos Romanos, acho que eles podem nos ajudar a dar sentido a palavra CORAÇÃO.

Vejamos...

A palavra latina cor (ou cordis), que significa coração, deu origem a várias palavras da nossa língua. Veja alguns exemplos: concordar é palavra formada do latim con + cordis, isto é, com coração. Quando duas pessoas concordam é porque seus corações estão juntos ou unidos. Discordar, por outro lado, é o oposto. Vem do latim dis (separar) + cordis. Quem discorda, portanto, afasta-se do coração do outro. Recordar, por sua vez, quer dizer "trazer de novo ao coração". A expressão "saber de cor" também vem diretamente do latim: saber de coração, isto é, de memória. E, por último, vamos destacar a palavra coragem, que também deriva de cor. Para os antigos romanos, o coração era a sede da coragem.

Corroboro com os romanos ao afirmar que o coração é sede da coragem, pois "amar é um Ato de coragem" já dizia FREIRE. Mais amar alguém ou algo, requer um pensamento que gera atitudes pautadas pelo coração, pelo concordar, pelo amor fraterno. Portanto, devemos guardar todas as coisas boas e ruins de quem amamos no coração, seguindo o belo exemplo da Virgem Maria, mãe de Deus.

As vezes, quando as coisas andam difíceis rogo o conforto de quem sentiu a dor de uma fecha ultrapassar seu coração, mais um vez, maria ao ver seu filho na cruz, senti essa dor que podemos apenas tentar mensurar. Mais seguindo o exemplo dela, pedimos a Deus a força necessária para confortar o nosso coração.

Espero que o coração que trago no peito me ensine a ver e entender as pessoas com a humildade e a paciência necessária para um bom convívio.

Caros leitores, vou dormir um pouco e esperar a minha ânsia me deixar em paz.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Quando uma mãe descobre que o filho é gay...

Eu não sei quando eu percebi que meu filho era gay. Nem me pergunte como ou por que, com certeza eu não saberia dizer. Talvez venha na descrição do trabalho de mãe: “sempre saber o que o filho sente”. Vai ver está junto com “prever o tempo” e “detectar mentiras”. A questão é que eu soube acho até que antes dele mesmo realizar isso.

Lucas é o terceiro, filho do segundo casamento, fruto de uma gravidez difícil e muito desejada. Foi, desde muito pequeno, uma criança calma, tranquila, que nunca deu nenhuma dor de cabeça. Os irmãos estavam quebrando a casa? Lucas estava no quarto brincando com lego. Os irmãos davam nó no pelo do cachorro e comiam a ração(juro que faziam isso!)? Ele limpava a sujeira e dava bronca nos dois. Era bom aluno, lutava caratê, gostava de jogar videogame e torcia para o Flamengo, como qualquer criança de bom gosto (rsrs). Mas, eu olhava para ele, com 10 ou 12 anos e uma voz me dizia que ele era diferente dos irmãos.

Enquanto o do meio namorava qualquer coisa com saias, o mais velho engatava um namoro longo, eu via Lucas sozinho, cada vez mais e mais isolado. Aos poucos o isolamento virou tristeza. A proximidade que sempre tivemos virou distância. O menino doce ficou agressivo, impaciente, sem tempo para a família e os amigos. O pai colocava tudo na conta da “aborrescência”, mas eu via um pouco mais que isso. E comecei a ter medo.

Que ninguém se engane, não foi um processo simples. Não sou nenhuma mulher maravilha. Tive medo do que iam pensar. Tive medo do que a família ia dizer. Questionei minha própria competência como mãe, me perguntei se havia falhado em alguma coisa, se de alguma forma era minha “culpa”. Ah, mães são especialistas em culpa! Nos culpamos sempre, por tudo e qualquer coisa. Tive dúvidas. Temi pela reação do meu marido, machista como a maioria dos brasileiros, ao descobrir que o único filho homem era gay.

A certeza veio ao descobrir revistas em seu quarto. Toda mãe de adolescente já encontrou playboy embaixo do colchão, muito antes de seus filhos terem idade legal para comprar. Eu encontrei homens nus ao invés de mulheres.

Talvez a melhor coisa que eu tenha feito foi não me sentar e esperar. Eu quis entender. Eu quis estar pronta para o dia que ele me contasse. Mais que isso, eu quis que ele soubesse que eu ouviria, que ele podia contar. Claro que no meio do caminho eu cometi enganos. Exagerei ao pressioná-lo, não muito discretamente, para me contar. Exagerei em livros, filmes, dicas e indiretas. Como ele diz hoje, ele não saiu do armário, eu chutei ele para fora.

Quando ele finalmente contou, não foi o pai que teve problemas, mas o irmão mais velho. Medo que os amigos achassem que ele também “era viado”. Não foi um tempo tranquilo. Nem um que deixou saudades, mas ele aprendeu a respeitar o espaço do irmão e no processo eles se tornaram mais amigos do que eram antes. E aprendeu tão bem, que sua madrinha de casamento é transex. Minha família descobriu sobre diversidade. Meu caçulinha, cresce hoje numa casa onde orientação sexual é só um aspecto da vida e não define nada.

Se você é mãe, pai, irmão... o que eu posso dizer é que aquela pessoa na sua frente dizendo “sou gay” é mesma que você trocou fraldas, ninou, levou para o parquinho. É o mesmo irmão que você jogou bola ou brincou de bonecas. É ainda o mesmo filho que lhe deu beijos melados. O mesmo irmão que dividiu o último biscoito. O mesmo sobrinho que brincou de cavalinho nas suas costas. É ainda a mesma pessoa. E ainda ama você do mesmo jeito.

Eu? Sou mãe de quatro meninos. Um deles, acontece gostar de meninos ao invés de meninas. Um deles é gay. Assim como um deles tem olhos azuis, o outro tem alergia a camarão e o quarto a vida me deu de presente, ao invés de ser gerado por mim. Só do jeito que Deus fez cada um deles. Absolutamente, perfeitos.

texto tirado de : http://www.maedefilhogay.blogspot.com/2010/09/mae-eu-sou-gay.html


OPINIÃO: Precisamos de mães como esta, que soube na sua dor encontrar a melhor forma de amar verdadeiramente seu filho.Espero que as mães,irmãos, tios e demais familiares que tem a oportunidade de ler esse texto, reflita e ajude as pessoas a se amarem. Eu, particularmente tenho uma mãe tão maravilhosa quanto essa. heheh FELIZZZ

domingo, 8 de janeiro de 2012

Vocês aceitam meu amor?

Antes de tudo, por favor, aceitem o meu amor. Essa é a única coisa com a qual eu posso dar-lhes as boas vindas ao isolamento e reclusão destas montanhas. Na verdade, eu nada mais tenho a dar a vocês. Eu quero compartilhar com vocês o infinito amor que a proximidade com o divino criou em mim. Eu quero distribuí-lo. E a maravilha disso é que quanto mais eu compartilho esse amor, mais ele cresce! Talvez a verdadeira riqueza seja aquela que aumenta com a distribuição. A riqueza que diminui quando é compartilhada, não é verdadeira riqueza, de modo algum.Vocês então aceitam o meu amor?

Fragmento tirado do texto O CAMINHO DA AUTO-REALIZAÇÂO - OSHO